O próximo ano pode ser decisivo para a saúde financeira do turismo de Foz do Iguaçu, é o que afirma o Presidente do Visit Iguassu, Felipe Gonzalez. A frente do Instituto de Promoção desde janeiro, o empresário avalia que 2021 deve ser tratado como um momento de suma importância e pede responsabilidade dos atores da gestão pública municipal e dos representantes das entidades do trade. “Será um ano ímpar e, como empresários do turismo, devemos atuar em prol de toda a cadeia produtiva e exigir profissionalização na cadeira pública do setor, fortalecendo a secretaria municipal de turismo”.

Para Gonzalez, a virada de ano traz esperança de dias melhores e que não deve ser tratada de forma simplória. “A pandemia colocou às claras a importância do turismo para a economia da cidade e, é essa clareza, que queremos para a pasta.  A partir do ano que vem, um segundo mandato municipal se inicia e ainda não temos um nome representativo para a principal Secretaria do município. O que vemos é uma sombra dos cabides políticos, o que não pode mais ser aceito e preocupa muito o setor empresarial”. 

O presidente do Visit Iguassu conta que em 2007 a cidade assistiu uma mudança de postura do poder público ao entregar a responsabilidade do turismo ao setor empresarial, que segundo ele é o verdadeiro gerador de emprego e renda. Movimento que fortaleceu a Gestão Integrada do Turismo de Foz que atua fortemente em uma parceria público-privada e traz, desde então, um constante crescimento no número de turistas de eventos e lazer para toda a região trinacional.

Gonzalez avalia que o que aconteceu precisa ser tomado como parâmetro e que uma postura de não aceitar retrocesso deve ser assumida com urgência. “Não podemos esquecer de um passado não tão distante. O que vem sendo executado hoje não é novidade para o setor, mas foi graças a uma gestão profissional, transparente e efetiva em Itaipu Binacional que vemos obras como a segunda ponte, a melhoria do aeroporto, a duplicação de vias, assim como outras ações de mobilidade, que fazem parte da pauta do trade há muito tempo saindo da esfera dos projetos com união das entidades, empresas do setor e entendimento dos gestores eleitos de que a pasta Turismo, não deve ser tratada como barganha política”.

“Como empresário e prestes a concluir meu primeiro ano à frente de uma das principais entidades turísticas do Brasil, quero convocar as demais instituições de turismo e seus representados a assumir em 2021 uma postura de protagonista. Não existe milagre e muito menos trabalho fácil. Por isso, não podemos aceitar retroceder em nada. Precisamos bater no peito e assumir que o turismo é a principal economia desta cidade e precisa ser respeitado como tal. Como empresário e como Presidente do Visit Iguassu, instituição que representa mais de 140 empresas do setor turístico, é essa postura que espero ver no próximo ano”.