Projeto estabelece novo foco de atuação e plano de ações de longo prazo

“Esse esforço é de uma importância excepcional, uma vez que permite a discussão de assuntos pertinentes a todos e à toda região, inclusive Argentina e Paraguai, e a decisão em conjunto, de forma democrática, dá legitimidade e não só fortalecerá o turismo nos três países, como também o Destino Iguassu irá mais longe. Tudo o que se faz em grupo e de forma democrática fica mais forte, mais sólido e vai mais longe, mas o que se faz de forma individual fica sem sustento e não perdura”. Esse foi o tom do discurso do assessor especial do Diretor-Geral Brasileiro da Itaipu Binacional, Tércio Albuquerque, na abertura do encontro na última segunda-feira (18) que reuniu as principais lideranças de instituições do turismo, públicas e privadas de Foz do Iguaçu, Puerto Iguazú e Ciudad del Este. Denominado Visão Iguassu, o projeto propõe a revisão estratégica do planejamento do Destino Iguassu baseado em tendências e no que existe de melhor no mundo em práticas para contribuir com o crescimento da atividade turística, aumento do número de visitantes e mais geração de negócios.

Tércio Albuquerque

A iniciativa tem como diferencial a construção colaborativa. Desde 2017, cerca de 60 profissionais do Brasil, Argentina e Paraguai, representando 33 organizações da indústria, participaram de uma intensa agenda de atividades que incluíram workshops, conferências online, entrevistas e questionários. Todo o processo contou com a experiência de consultorias internacionais, a australiana Gaining Edge e as canadenses InterVistas e Twenty 31. Especializadas em marketing de destinos, as três desenvolveram projetos semelhantes em mais de 70 países e cidades. Entre os destaques estão trabalhos bem-sucedidos em Indianápolis, Houston (EUA), Vancouver (Canadá), Austrália e Dubai.

Revisão estratégica

A visão estabelecida para 2025 pelos participantes é de que “Iguassu será um destino sustentável e de visita obrigatória, reconhecido mundialmente por experiências revigoradoras de água e natureza e por culturas que vivem em harmonia em três países.”A iniciativa, que se pretende implementar daqui para a frente, é baseada em quatro eixos principais: desenvolvimento da indústria, colaboração e parcerias; marketing, promoção e marca; experiência do visitante, desenvolvimento de produto e identificação urbanística; e infraestrutura, transporte, acesso, política e regulamentação. “A nossa contribuição é para transformar Iguassu em um destino de vanguarda e embora sejam a longo prazo, precisamos de ações imediatas já em 2019”, afirmou a consultora Graziela Padoin que conduziu o workshop realizado esta semana.

Segundo ela, visando auxiliar o Destino Iguassu a se tornar mais dinâmico e bem-sucedido, buscou construir-se com a indústria um exercício de visão para determinar as mudanças necessárias para garantir a evolução e o sucesso continuado. Ao longo do processo da consultoria, os gestores e profissionais das instituições envolvidas reconheceram o dever do Destino Iguassu se reinventar e o potencial que ainda pode ser explorado. “Não há dúvidas de que desde que foi criada, em 2006, a Gestão Integrada do Turismo contribuiu com desenvolvimento, melhorias na infraestrutura e incrementou o fluxo de visitantes, no entanto, é momento de estabelecer novas metas, pois, na última década o mundo mudou, assim como a forma e o motivo das pessoas viajarem, portanto, é necessário um planejamento alinhado às tendências e novos comportamentos dos viajantes”, analisou a consultora. 

Construção colaborativa

 Na avaliação de Cibele Munhoz, que participou do Visão Iguassu como representante do ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), a metodologia adotada pelas consultorias utiliza modernas ferramentas de planejamento estratégico. “Esse trabalho é de vanguarda e considero o Visão Iguassu essencial para alçar o Destino a um patamar de excelência”, comentou. Na opinião do diretor da ABAV Regional, Felipe Gonzalez, essa tarefa é indispensável para o Destino, não apenas no que diz respeito à marca, mas ao conjunto de ações e ideias para fortalecer a atividade turística. “É estratégico reunir também empresários e dirigentes de Ciudad del Este e Puerto Iguazú, dessa forma temos um tratamento do Destino Integrado onde os interesses se conjugam para uma melhor promoção e marketing e assim o produto turístico ganha maior destaque pela diversificação da infraestrutura, logística e atrativos”, observou Felipe.

Felipe Gonzalez