Projeto estabelece novo foco de atuação e plano de ações de longo prazo

“Esse esforço é de uma importância excepcional, uma vez que permite a discussão de assuntos pertinentes a todos e à toda região, inclusive Argentina e Paraguai, e a decisão em conjunto, de forma democrática, dá legitimidade e não só fortalecerá o turismo nos três países, como também o Destino Iguassu irá mais longe”. Esse foi o tom do discurso do assessor especial do Diretor-Geral Brasileiro da Itaipu Binacional, Tércio Albuquerque, na abertura do encontro, na última segunda-feira (18), que reuniu as principais lideranças de instituições do turismo, públicas e privadas de Foz do Iguaçu, Puerto Iguazú (Argentina) e Ciudad del Este (Paraguai).

Denominado Visão Iguassu, o projeto propõe a revisão estratégica do planejamento do Destino Iguassu baseado em tendências e no que existe de melhor no mundo em práticas para contribuir com o crescimento da atividade turística, aumento do número de visitantes e mais geração de negócios.

A iniciativa tem como diferencial a construção colaborativa. Desde 2017, cerca de 60 profissionais do Brasil, Argentina e Paraguai, representando 33 organizações da indústria, participaram de uma intensa agenda de atividades que incluíram workshops, conferências online, entrevistas e questionários. Todo o processo contou com a experiência de consultorias internacionais, a australiana Gaining Edge e as canadenses InterVistas e Twenty 31. Especializadas em marketing de destinos, as três desenvolveram projetos semelhantes em mais de 70 países e cidades. Entre os destaques estão trabalhos bem-sucedidos em Indianápolis, Houston (EUA), Vancouver (Canadá), Austrália e Dubai.

Revisão estratégica

A visão estabelecida para 2025 pelos participantes é de que “Iguassu será um destino sustentável e de visita obrigatória, reconhecido mundialmente por experiências revigoradoras de água e natureza e por culturas que vivem em harmonia em três países.” A iniciativa, que se pretende implementar daqui para a frente, é baseada em quatro eixos principais: desenvolvimento da indústria, colaboração e parcerias; marketing, promoção e marca; experiência do visitante, desenvolvimento de produto e identificação urbanística; e infraestrutura, transporte, acesso, política e regulamentação. “A nossa contribuição é para transformar Iguassu em um destino de vanguarda e embora sejam a longo prazo, precisamos de ações imediatas já em 2019”, afirmou a consultora Graziela Padoin que conduziu o workshop realizado esta semana.

Segundo ela, visando auxiliar o Destino Iguassu a se tornar mais dinâmico e bem sucedido, buscou construir-se com a indústria um exercício de visão para determinar as mudanças necessárias para garantir a evolução e o sucesso continuado. Ao longo do processo da consultoria, os gestores e profissionais das instituições envolvidas reconheceram o dever do Destino Iguassu se reinventar e o potencial que ainda pode ser explorado. “Não há dúvidas de que desde que foi criada, em 2006, a Gestão Integrada do Turismo contribuiu com desenvolvimento, melhorias na infraestrutura e incrementou o fluxo de visitantes, no entanto, é momento de estabelecer novas metas, pois, na última década o mundo mudou, assim como a forma e o motivo das pessoas viajarem, portanto, é necessário um planejamento alinhado às tendências e novos comportamentos dos viajantes”, analisou a consultora.

Construção colaborativa

Na avaliação de Cibele Munhoz, que participou do Visão Iguassu como representante do ICMBio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade), a metodologia adotada pelas consultorias utiliza modernas ferramentas de planejamento estratégico. “Esse trabalho é de vanguarda e considero o Visão Iguassu essencial para alçar o Destino a um patamar de excelência”, comentou. Na opinião do diretor da ABAV Regional, Felipe Gonzalez, essa tarefa é indispensável para o Destino, não apenas no que diz respeito à marca, mas ao conjunto de ações e ideias para fortalecer a atividade turística. “É estratégico reunir também empresários e dirigentes de Ciudad del Este e Puerto Iguazú, dessa forma temos um tratamento do Destino Integrado onde os interesses se conjugam para uma melhor promoção e marketing e assim o produto turístico ganha maior destaque pela diversificação da infraestrutura, logística e atrativos”, observou Felipe.

(Matéria complementar)

Visão Iguassu é marcado pela participação democrática

Diversas “vozes” estão reunidas no projeto que planeja o turismo para as futuras gerações

Desenvolver o turismo sustentável, buscar parcerias estratégicas e oferecer aos visitantes experiências personalizadas, únicas e autênticas são consensos do Visão Iguassu. Isso foi possível porque o futuro do turismo está sendo pensado e planejado de forma coletiva. Uma das principais conquistas do Visão Iguassu é a intensa participação, confirmando as diversas vozes representadas no projeto que visa o bem comum e planeja o turismo para as futuras gerações.

Nos workshops, os representantes de entidades públicas e privadas ligadas à atividade turística como a Itaipu Binacional, Conselho Municipal do Turismo, Secretaria Municipal de Turismo de Foz do Iguaçu, Sindhotéis, Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Instituto Polo Iguassu, Visit Iguassu e ainda instituições de Puerto Iguazú e Ciudad del Este, se dividem em grupos de trabalho, debatem e buscam consenso em diversas áreas. Um dos propósitos é melhorar a colaboração no setor de turismo do Iguassu, com papéis claros e responsabilidades compartilhadas. Outra iniciativa considerada prioritária é formalizar a cooperação entre Brasil, Argentina e Paraguai, por meio de um acordo. Confira as opiniões de alguns participantes:

“Todas as ações que foram levantadas, e principalmente da união que vimos aqui, tanto da Gestão Integrada, quanto de todos os representantes das entidades do turismo, vão fazer a diferença. A ideia é fazer a disseminação desse programa principalmente no âmbito do Comtur para que possamos mobilizar todas as instituições e fazer realmente com que esse projeto saia do papel. O Visão Iguassu está muito bem formatado, com muitas sugestões ideias, e principalmente, foco. Estamos num caminho bem adiantado. Eu acredito que daqui para frente, com pouco esforço, nós teremos resultados.”
Carlos Silva, presidente do Comtur

“No Visão Iguassu todas as entidades estão buscando o alinhamento único com o objetivo de divulgar o Destino, a melhoria da infraestrutura e de tudo aquilo que envolve o turismo. Isso inclui Brasil, Argentina e Paraguai. Não há outro caminho a não ser a união.”
Emerson Orsini, superintendente da Assessoria de Turismo da Itaipu Binacional

“Esse é um projeto do Destino Iguassu que tem como diferencial o processo democrático e o nível de participação que ficou evidente em todas as etapas. Veio muita gente, foi muito positivo e nos debates descobrimos que temos muito mais consensos do que pontos de divergências.”
Jaime Nascimento, presidente do Visit Iguassu

“O planejamento é essencial e foi só o primeiro passo. O mais difícil será a execução, mas o Visão Iguassu dá um norte e as discussões ajudaram a construir o projeto. É importantíssimo sabermos aonde vamos chegar, por isso agora precisamos arregaçar as mangas e seguir em frente.”
Cibele Munhoz, do setor uso público e visitação do Parque Nacional do Iguaçu – Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio)

“Cada entidade, no seu dia a dia, vem trabalhando pelo desenvolvimento do turismo. Entretanto, esses encontros são a oportunidade de pararmos para pensar no estratégico e trabalhar juntos. Como Gestão Integrada do Turismo foi muito importante para unir, de novo, e olhar para questões estratégicas do Destino. E o que mais me motiva é esse olhar para a região trinacional. O Instituto Polo Iguassu tem em sua essência a trinacionalidade e vimos aqui a importância de Iguassu ser um destino trinacional, de trabalhar junto, olhar para vocação, trabalhar a experiência. O ganho maior dessa consultoria é a gente parar e olhar para o estratégico. Rever rotas, reavaliar para onde estamos indo, ouvir os parceiros do outro lado, fazer uma autoavaliação dentro de cada entidade do que foi construído até aqui.”
Fernanda Fedrigo, diretora-executiva do Instituto Polo Iguassu

“O projeto ficou muito bem estruturado, bem fundamentado, foi bom ter feito esse trabalho em conjunto com todas as entidades para dar um norte para o desenvolvimento do Destino. Todo mundo agora tem a lição de casa de conseguir implementar as ações, que são muitas, mas temos uma direção estabelecida e isso é fundamental, principalmente no aspecto de infraestrutura, em que o Codefoz está mais envolvido. Sabendo aonde queremos ir e sabendo o papel de cada instituição será possível acelerar e agilizar a concepção do projeto. Vamos com tudo para as próximas etapas.”
Dimas Bragagnolo, diretor executivo da ACIFI

“Estamos no caminho certo. Os destinos de turismo precisam pensar de forma cooperada, técnica, buscando sempre estar adiante do mercado, estar à frente, buscando tendências, pensando de forma coletiva e com profissionais experientes. Essa é a contribuição que esse projeto dá para o nosso Destino. Começar a pensar de uma forma mais profissional, sair do ‘achismo’ e tomar decisões com base em estatísticas, em fatos e no que vem sendo feito de positivo em outros destinos pelo mundo afora. Com a ampla discussão e o máximo possível de atores envolvidos, certamente vamos alcançar mais rapidamente nossos objetivos.”
Paulo Angeli, Vice-Presidente do Visit Iguassu e Presidente do IDESTUR – Instituto para o Desenvolvimento do Turismo, Esporte e Meio Ambiente de Foz do Iguaçu e Região

“O nosso posicionamento é para trabalharmos em conjunto daqui para frente e construirmos ações práticas para a criação de um destino turístico integrado. Não podemos mais trabalhar de forma isolada, assim como também não adianta querer atrair mais visitantes apenas com as Cataratas. Sem dúvida de que elas são importantes, mas hoje em dia precisamos mostrar ao mundo que aqui as pessoas podem viver uma experiência trinacional. O Destino Iguassu e todas os produtos e possibilidades que os turistas podem encontrar ao visitar Brasil, Paraguai e Argentina é que precisam estar em evidência.”
Gustavo Riego Maidana, diretor-executivo Ciudad del Este y Región Convention & Visitors Bureau

“Pensar em uma região que contempla os países, com seus atrativos, suas culturas e suas sensações diferentes é uma visão mais madura. Não podemos mais trabalhar e divulgar sempre de maneira isolada separada cada cidade ou cada destino. O esforço conjunto e a integração efetiva é o melhor caminho.” 
Pablo Bauzá, secretário da Câmara de Turismo de Puerto Iguazú e integrante do Iturem (Ente Municipal de Turismo Iguazú) e da Associação Hoteleira e Gastronômica de Puerto Iguazú