Gestão Integrada do Turismo promove segunda etapa de planejamento estratégico para a próxima década

Um grupo de 40 gestores de empresas e organizações do setor de turismo cumpre uma programação intensiva de três dias para juntos repensar e definir qual e como será a marca do Destino Iguaçu a ser desenvolvida e utilizada nos próximos dez anos. Esta é a segunda etapa do Visão Iguaçu, projeto desenvolvido pela Gestão Integrada do Turismo, composta pelo Fundo de Desenvolvimento e Promoção Turística do Iguaçu, Itaipu Binacional, Iguassu Convention & Visitors Bureau e Secretaria de Turismo.

[caption id="attachment_12557" align="aligncenter" ]      O workshop do projeto Visão Iguaçu foi realizado no Recanto Cataratas Resort[/caption]

Os workshops, entre os dias 12 a 14 deste mês, promovem uma imersão que irá resultar em um planejamento estratégico com visão de longo prazo a fim de manter Iguaçu como um destino de vanguarda e adaptado ao perfil dos turistas, considerando suas novas necessidades e interesses, de acordo com as tendências mundiais.

[caption id="attachment_12559" align="aligncenter" ]       Grupos de trabalho discutiram características da marca Destino Iguaçu[/caption]

A consultora Graziela Padoin alertou que é preciso trabalhar de uma forma ainda mais eficiente para aproveitar ao máximo as oportunidades e, acima de tudo, com uma visão unificada e de longo prazo para implementar mudanças capazes de transformar e alavancar o turismo na região.  “Devemos pensar grande e trabalhar ao máximo para fazer acontecer e evoluirmos juntos”, disse.

Essência da marca - Uma das atividades é o laboratório de branding, conduzido pelos consultores Greg Klassen e Paul Vallee. Profissionais da hotelaria, atrativos turísticos e entidades que compõem o Comtur de Foz do Iguaçu (Conselho Municipal de Turismo), juntos à organizações e empresários de Puerto Iguazú (Argentina) e Ciudad del Este (Paraguai) estão fazendo uma análise para repensar a essência da marca do Destino Iguaçu como um todo, com vistas aos mercados regional e internacional. Nesse sentido, o grupo discute quais as características a serem trabalhadas pelos próximos dez anos.

[caption id="attachment_12560" align="aligncenter" ]    Greg Klassen, da Twenty31, consultoria especializada em marketing de destinos [/caption]

Seguindo o raciocínio apontado pela consultoria de que a emoção é o que representa 95% do processo de escolha do destino, o restante é racional, a marca tem a ver com sentimento envolvido. “Aqui temos aventura, sustentabilidade, uma região única no mundo e uma série de outros atributos capazes de atrair mais turistas”, afirma Greg Klassen. “O esforço é no sentido de criar uma marca de um lugar que não saia da cabeça das pessoas e que os viajantes queiram visitar”, orientou.

[caption id="attachment_12561" align="aligncenter" ]      O gestor de turismo da Itaipu, Alexandre dos Santos Pacheco: "a marca precisa                                                traduzir a personalidade do destino[/caption]

Personalidade - Para o gestor de turismo da Itaipu, Alexandre dos Santos Pacheco, o mais importante nesse processo de reconstrução da marca é de que ela seja forte e expressiva, a ponto de que a pessoa que estiver em qualquer lugar do mundo, que procura um lugar para viajar ou que busca informações sobre o Destino Iguaçu, consiga imaginar o que vai encontrar e sinta o desejo de estar aqui. “O grande desafio é traduzir o que nós somos, afinal de contas, isso terá um grande impacto no processo de escolha do viajante, seja ele regional ou internacional.

Assessoria de Imprensa Iguassu CVB - Jornalista Andréa David - imprensa@iguassu.com.br